O valor gerado por meio de publicidade permitiu ao YouTube pagar mais de 1 bilhão de dólares à indústria da música, entre janeiro e dezembro do ano passado. De acordo com esses dados, a Google acredita que não só garante o pagamento aos criadores como também exerce um efeito promocional na música.

Entretanto, com base no estudo “Value of YouTube to the Music Industry – Paper 1 – Cannibalisation (Valor do YouTube na indústria da música – Trabalho 1 – Canibalização)”, algumas pessoas consideram que o YouTube tem um impacto negativo no setor, não pagando o suficiente pelos conteúdos que disponibiliza e canibalizando outros serviços.

Gangnam Style é o vídeo e a música com mais visualizações no YouTube.

Após ouvir 1500 usuários e analisar dados referentes às visualizações e vídeos, o YouTube concluiu que existem duas razões que contrariam a hipótese da canibalização: na ausência do YouTube, 85% do tempo gasto ouvindo música teria como destino canais que geram menos valor para os artistas (televisão, rádio AM/FM e rádios online); e na ausência do YouTube, o tempo gasto ao ouvir música pirata aumentaria cerca de 29%.

O mesmo estudo, realizado em parceria com a RBB Economics e o Survey Monkey, procurou perceber se existiria alguma relação entre o bloqueio de músicas no YouTube, frequente na Alemanha, e o número de vídeos desse mesmo tema em outras plataformas. O YouTube concluiu que não existe um impacto direto.

“Com base nestes dados, não encontramos nenhuma prova de canibalização significativa por parte do YouTube face a outros serviços de música legítimos”, disse um representante da plataforma.

 

Fonte: Marketeer e Wn