Susan Wojcicki, CEO do YouTube, pediu desculpas pelos vídeos neonazistas que afastaram os anunciantes da plataforma. A executiva se exprimiu em um evento de investidores do YouTube em Nova York por meio de um discurso.

“Quero que vocês saibam que nós levamos a sério o feedback de vocês, trabalhamos com afinco todos os dias para merecer a confiança dos nossos anunciantes e das agências. Nós pedimos desculpas por ter decepcionado alguns de vocês. Nós podemos, e vamos, melhorar” 

Também neste evento, a empresa anunciou que está investindo na produção profissional no YouTube com a criação de 40 programas originais para assinantes do serviço pago e também para não assinantes.

“O YouTube não é TV e nunca será. Nossos usuários não vêm ao YouTube procurando superficialidade, e sim procurando conteúdo.”

A CEO afirmou, ainda, que o YouTube é um espaço mais amigável e personalizado para os anunciantes do que a televisão.

 

Fonte: Folha

 

  • Mateus Mendes

    O Youtube não é TV, mas parece querer, afinal aqueles vídeos violentos que supostamente tinham anúncios já tinham perdido o Adsense faz tempo (os prints tirados desses supostos anúncios nesses vídeos eram falsos), era tudo parte dos planos de um jornal para falar mal do Youtube para ver se dava um jeito de voltar a ganhar dinheiro (não é teoria da conspiração, pesquisa direito no Youtube que você vai achar), e afinal que ideia é essa do Youtube de atender os esses anunciantes!? onde afinal eles iriam anunciar, ninguém mais assiste TV, afinal isso é raro hoje em dia (nenhum público jovem assiste mais isso, e o público jovem é o mais visto no mercado, e se duvidar até um publico mais adulto também esta parando de ver tv), e era só o Youtube baixar o preço dos anúncios, para os anunciantes pequenos poderem anunciar nele, e depois de um certo tempo os anunciantes iriam voltar depois terem um fracasso na área da publicidade.
    O pior mesmo são essas mudanças do Youtube na qual ele só quer conteúdo Family Friendly.