Hoje, muita gente reclama do YouTube como uma plataforma não receptiva a novos criadores e cruel com os que ainda dependem exclusivamente dela. Mas sempre foi assim? É de hoje que o os criadores viraram simplesmente bonecos controlados pelo algorítimo?

Desde sua compra pela Google, o YouTube teve várias mudanças, seja em seu algorítimo, seja em sua interface. E junto mudaram os criadores, os tipos de conteúdo e sua qualidade, tanto visual quanto roteiro e produção, variando desde vlogs de pessoas normais contando sobre sua própria vida em frente à câmera, criticando algo, ou superproduções dignas de Hollywood.

O YouTube, em 11 anos, flutuou entre tendências e criou muitas delas. Vários criadores de conteúdo foram e vieram, mas sempre atingindo o mesmo público-alvo, que são jovens e crianças, que têm mais tempo para consumir a plataforma. Muito por causa disso, alguns criadores seguem a influência do público-alvo sempre se adequando às “modinhas” vigentes daquele período, como por exemplo a mania dos fidget spinners, 100 camadas, ice bucket challenges, entre outros.

O ponto em dar esses exemplos é que sempre existiram os criadores que não quiseram se render a essas tendências e sofreram por não se adequar ao algorítimo, assim como aconteceu na ascensão dos canais de let’s play, por volta dos anos de 2009-2012, em que canais que faziam esse tipo de conteúdo tiveram seu número de inscritos e likes incrivelmente inflados, já que naquela época o algorítimo favorecia, além de outros fatores, o tempo assistido de vídeo.

Considerando um escopo mais atual, conteúdos publicados por canais como o dos Irmãos Neto são favorecidos pelo tempo de visualização e pela frequência de postagem, coisa que, por mais que você não goste desses vídeos ou de como eles lidam com os fãs, você tem que admitir que eles tiveram uma visão a “longo prazo” muito incrível.

Mas por que eu estou valorizando a visão de plataforma deles? Simples, eles começaram a fazer esse tipo de conteúdo ao final do ano passado, quando Luccas Neto percebeu que o “gênero treta” – se é que posso definir assim – estava em constante declínio, devido a quão absurda a situação estava ficando. Ele ficou em um hiato e tempos depois começou a fazer vídeos com um teor mais voltado à diversão, mais descontraídos e para outro público-alvo, assim, saindo do seu status de “Hater Sincero” para “Luccas Neto, a Foca de Nutella.”.

Enquanto isso, vários outros criadores que tinham conteúdos mais embasados, que envolviam mais pesquisa e elaboração, como por exemplo o Core Das Antigas, tiveram que simplificar um pouco o formato, conseguindo, desse modo, aumentar sua periodicidade sem cair tanto a qualidade de conteúdo. Mas outros resolveram não ficar reféns daquilo que vem do YouTube e recorreram a plataformas externas de apoio, tais como o Apoia.se, o Padrim e o Patreon.

Existe sim, ainda, criadores que fazem um conteúdo mais elaborado e editado, que mantêm seu conteúdo no YouTube, mas eles já se espalharam por outras redes sociais e fazem vários trabalhos patrocinados, além de terem um público muito mais fiel e de longa data, tais como o Coisa de Nerd, Manual do Mundo, Canal Nostalgia e Damianizando, além daqueles que, mesmo produzindo por hobby, ainda mantêm uma boa periodicidade de vídeos, como o Canal Capslock, que publica reviews de jogos semanalmente, além de alguns outros vídeos mais elaborados. O dono do canal resolveu não abandonar seu emprego para se dedicar completamente ao YouTube.

O ponto é: não deveríamos reclamar quando youtubers fazem mudanças para continuar ganhando dinheiro com o algorítimo, mas deveríamos reclamar quando essas mudanças são bruscas, como a do Luccas Neto, que deixou isso completamente visível para seu público antigo, mudando seu foco sem mais nem menos, deixando toda uma base de fãs de lado por se sentir no dever de mudar seu conteúdo para agradar um novo público.

Então deveríamos apenas sentar e esperar que o público de hoje cresça e simplesmente esqueça esse tipo de conteúdo?

Dê sua opinião nos comentários.

 

ESTE É UM ARTIGO DE OPINIÃO, PORTANTO DISCORRE APENAS DE ACORDO COM O JUÍZO DE VALOR DE SEU AUTOR.

  • Thiago Silva

    Só um detalhe: “o dono do canal” CapsLock é o Ricardo Judice(A.K.A Araújo), e ele só não abandonou o emprego por que o cenário é bem desfavorável à ele. Quanto ao caso do Luccas Neto é o mesmo que Bruno Correa(Ex-Platina), o canal se tornou obsoleto e só tem crescido nas costas do Felipe Neto, o cara pode ficar 3 meses sem postar, mas se o Felipe recomendar em seu canal, ganha 300k em menos de um dia.

    E é bom destrinchar esse caso Bruno Correa/Platina, pois ele inicialmente era criador de um canal com foco gamer, com notícias, reviews e curiosidades, e mesmo assim vinha crescendo pouco, graças ao retrospecto descompromissado para com o publico por ir trabalhar na TGS/IGN Brasil Network, após ser demitido de lá continuou só que mais assíduo até o lançamento de Pokemon GO, onde ele ganhou um pouco mais de 300k de inscritos, visto que antes tinha um pouco antes de começar a focar SÓ nesse jogo ele tinha menos de 200k de inscritos e quando parou tinha um pouco mais de 500k. Foi aí que ele resolveu aparecer no canal do Felipe Neto, largar o foda-se no dele próprio, sob a alegação que seria editor dele, mas agora diz que é amigo dele. Só nessa ele ganhou quase 1M de inscritos em menos de 2 meses, nesse processo ele abandonou o nome antigo que usava no canal (PlatinaKH/Platina) para adotar o nome real, e agora só coloca video dizendo que está com os Irmãos Neto fazendo algo para/com. Se por um lado ele ganhou em números, perdeu acintosamente em qualidade, afinal agora é capaz de fazer qualquer coisa por números e seu intelecto é jogado na sarjeta, visto que se antes tinha um público mais velho que tinha boas interações, hoje só tem criança falando pra ele fazer isso ou aquilo ou chamando de gorducho, fofis, ou shipando com as outras figurinhas do circulo de amigos do Felipe, ou mesmo perguntando do Felipe, por que estão pouco se fodendo se ele fala algo construtivo, se ele se machuca, etc. É como vender a alma para o Diabo por Status, sabe.