Não é novidade que a maior plataforma de vídeos da internet apresenta seus problemas, mas o que está ocorrendo nas últimas semanas fugiu da “normalidade” e começou a prejudicar diversos youtubers, os quais querem crescer, mas acabam sendo impedidos pelo próprio sistema. É como se fosse um jogo, em que o YouTube e os criadores de conteúdo são adversários. A certeza é que algo de errado está acontecendo, e nós precisamos falar sobre isso.

A FAMOSA – E POLÊMICA – ABA “EM ALTA”

Já faz algum tempo que o YouTube implementou a aba “Em Alta” – ou “Trending”, em inglês -, um local dedicado a mostrar os vídeos mais assistidos da plataforma em um dia. Porém, essa área tem apresentado sérios problemas.

É possível que você tenha notado que grande parte do conteúdo disponibilizado nessa aba está relacionado a programas de televisão, incluindo séries, filmes, telejornais, entre outros. A adversidade encontrada nessa situação é que os canais que publicam esses vídeos estão infringindo as diretrizes da comunidade, uma vez que não possuem permissão para utilizar obras protegidas por direitos autorais. Além disso, esse conteúdo infrator está ocupando um espaço que poderia ser de um youtuber.

Para conferir a lei de copyright basta acessar os “Termos de Serviço” do YouTube e ler o item 6 parágrafo B.

“6B – Você será o único responsável por seu Conteúdo e pelas consequências de enviá-lo ou publicá-lo. Você afirma, declara e garante que possui ou tem as licenças necessárias, direitos, autorizações e permissões para publicar o Conteúdo que Você enviar, e Você autoriza o YouTube a usar todas as patentes, marcas registradas, segredos de negócio, direitos autorais ou outros direitos de propriedade e tais Conteúdos para a publicação no Serviço de acordo com estes Termos de Serviços.”

Considerando que a Google demora para resolver – e muitas vezes nem resolve – os problemas da plataforma, a equipe do Universo Youtuber tomou partido e entrou em contato diretamente com uma empresa proprietária dos direitos autorais – nesse caso, a Fox Broadcasting Company – de um conteúdo utilizado ilegalmente para denunciar uma transmissão ao vivo do seriado “Os Simpsons”, a qual estava sendo realizada há mais de dois dias e sempre ficava em destaque na aba “Em Alta”, prejudicando os produtores de conteúdo. O resultado? Poucas horas após ser notificada, a Fox aplicou um strike nesse canal. Não satisfeitos, nós começamos a investigar e encontramos mais lives desse programa norte-americano e denunciamos à empresa. No total, quatro transmissões de “Os Simpsons” foram derrubadas em menos de um dia.

Esse print do dia 4 de dezembro mostra a live de "Os Simpsons" em primeiro lugar no "Em Alta".
Esse print do dia 4 de dezembro mostra a live de “Os Simpsons” em primeiro lugar no “Em Alta”.

Outro bug evidenciado nessa área é a quantidade de vídeos com caráter sexual explícito. Esse material também contraria as regras do YouTube e deveria ser removido, visto que prejudica o crescimento de alguns criadores de conteúdo. Além disso, já foi observado vídeos de gringos na aba “Trending”. Ora, se eu estou no Brasil, por que um youtuber de outro país está aparecendo na minha tela sem ser nos “Recomendados” ou “Minhas Inscrições”?

Além do Contente e do PewDiePie, o youtuber SanInPlay também comentou sobre os bugs.

O PARADOXO DAS VISUALIZAÇÕES

Criar conteúdo audiovisual de qualidade para a internet exige horas de muita dedicação e esforço. Um bom número de visualizações deveria ser consequência disso, e não um problema. Porém, não é o que está acontecendo.

A média de views de um canal, por vídeo, deve ser próximo de 10% da quantidade de inscritos. Isso significa que, se um youtuber possui 1 milhão de seguidores, cada vídeo do mesmo deverá ter aproximadamente 100 mil visualizações. Contudo, essa teoria não está mais de acordo com a realidade, visto que há criadores de conteúdo que estão gerando mais acessos por vídeo do que o número de inscritos que eles têm, enquanto outros youtubers não conseguem obter nem 5% da quantidade de seguidores.

Aí você me fala: “Ah, mas o canal de um youtuber pode ter ficado ruim e, por isso, ele perdeu visualizações”. Infelizmente, esse pensamento não está fazendo muito sentido no atual cenário do YouTube. Explico: existem canais que, poucas semanas atrás, estavam recebendo, no mínimo, os 10% da quantidade de inscritos em cada vídeo, mas agora não conseguem fazer nem 5% desse número. A queda foi significativa e em um curto período de tempo. Considerando que essa situação ocorreu com diversos criadores de conteúdo, não podemos tratá-la como normal.

Abaixo seguem os prints dos gráficos do desempenho de alguns canais. Observem as alterações a partir de “Jul 16”.

screenshot_119
Estatísticas do canal “Cadê a Chave?” (Fonte: SocialBlade).

 

screenshot_121
Estatísticas do “Canal Nostalgia” (Fonte: SocialBlade).

 

screenshot_122
Estatísticas do canal “CellBits” (Fonte: SocialBlade).

O BUG DA PERDA DE INSCRITOS

Mas o YouTube não tem apresentado apenas os problemas já citados. O fenômeno da perda de inscritos não é recente, mas se instensificou nas últimas semanas. É comum a Google remover algumas inscrições por inatividade, por exemplo, mas o que foi presenciado de modo significativo – e generalizado – por diversos criadores de conteúdo comprova a adversidade dessa situação. Esse fato pode ser confirmado por grandes criadores de conteúdo que já denunciaram esse bug, como PewDiePie (novamente) e boogie2988.

O sueco Felix Kjellberg ressalta que seu canal está parando de crescer devido aos problemas com o YouTube, como a aba “Minhas Inscrições”, que não está configurada como principal, e o famoso “sininho” de notificações, que não notifica a maior parte do público.

Estatísticas do canal "PewDiePie". É possível observar a queda acentuada nos dois gráficos (Fonte: SocialBlade).
Estatísticas do canal “PewDiePie”. É possível observar a queda acentuada nos dois gráficos (Fonte: SocialBlade).

 

A MESMICE DE CONTEÚDO E A FALTA DE CRIATIVIDADE

Devido a esse novo algoritmo, nota-se que os criadores de conteúdo estão se rendendo apenas a um estilo de vídeo para conseguir se destacar no YouTube. Hoje, se você quer crescer na plataforma, precisará fazer vídeos de desafios ou criar uma treta (briga; polêmica; furdúncio), com thumbnails e títulos apelativos (o famoso clickbait)Caso contrário seu canal estará fadado ao fracasso. Essa é, lamentavelmente, a receita do sucesso.

Thiago Elias, mais conhecido como Calango, comentou sobre o atual cenário do YouTube.

Aruan Felix também publicou um vídeo criticando a plataforma. O produtor de conteúdo afirma que ele contribuiu com a decadência do YouTube, visto que após ele ter quebrado a placa de 100 mil inscritos surgiu uma nova moda: as tretas.

O NAUFRÁGIO DO YOUTUBE?

Embora o YouTube tenha se pronunciado sobre os bugs, os criadores de conteúdo não estão nem um pouco otimistas com o futuro da plataforma – e com razão. Considerando todos esses empecilhos no caminho dos influenciadores digitais, ressalta-se a urgência da solução desses problemas, os quais colocam em risco o sucesso dos youtubers.

O YouTube revolucionou – e ainda revoluciona – a internet. Não podemos dar adeus a essa plataforma por adversidades técnicas.