Foi revelado pelo YouTube, em seu blog oficial, que mais de 90 milhões de pessoas ajudaram a aplicar flags em vídeos infratores desde 2006. Isso é mais do que toda a população da Inglaterra (50 milhões).

Durante esses últimos 10 anos, o YouTube tem formado uma comunidade, e em toda comunidade existem regras. Se alguma pessoa acreditar que as regras da comunidade tenham sido quebradas em algum vídeo, ela tem o direito de denunciar pelo uso da ferramenta “flag”. Quando utilizado o recurso, é possível escolher qual política foi quebrada, e assim ajudar a equipe do YouTube a determinar e revisar o conteúdo com mais eficiência.

Algumas outras informações reveladas pelo YouTube:

  • Mais de um terço das 90 milhões de pessoas que utilizaram flags já os aplicaram em mais de um único vídeo;
  • O número de flags por dia aumenta 25% todo ano;
  • O sistema de flags é internacional. Os 5 países que mais sinalizam vídeos são: Indonésia, Turquia, Alemanha, Ucrânia e França;
  • O YouTube continua a reforçar suas políticas. Apenas em 2015, 92 milhões de vídeos foram removidos por violarem as regras da comunidade. O YouTube continua rápido e vigilante removendo conteúdo terrorista e discursos de ódio. Essas duas violações contam com menos de 1% dos vídeos removidos em 2015.

O YouTube afirma possuir equipes treinadas em múltiplas línguas, que analisam cuidadosamente os conteúdos denunciados a todo instante, 24 horas por dia.

Conteúdo marcado por “flags” não são removidos automaticamente. O YouTube age com cautela antes de tomar qualquer ação, para assim proteger o conteúdo educacional, documentado, científico ou com propósitos artísticos. Além disso, a Google fica atenta com leis específicas de cada país em que opera.

O YouTube deseja, então, encorajar o uso das “flags”, e que essa transparência adicional ajude os usuários a reportarem com responsabilidade, e não injustamente.

 

Fontes: The Washington Post e Blog Oficial do YouTube