Como observado nos últimos meses, a Google está engajada em remover conteúdos considerados terroristas de suas plataformas. No YouTube, a empresa já restringiu a monetização para vídeos que fazem apologia à violência ou utilizam palavras de ódio contra determinados grupos. Porém, a gigante do Vale do Silício parece – ainda – não estar satisfeita com o resultado e promete intensificar o combate ao terrorismo no meio digital por meio de quatro maneiras.

 

Tecnologia

A primeira é utilizar o poder tecnológico com o objetivo de encontrar conteúdos vinculados ao terrorismo. “Isso pode ser desafiador: um vídeo de um ataque terrorista pode ser um noticiário, se transmitido pela BBC, ou glorificação da violência, se enviado em um contexto diferente por um usuário diferente”, ressaltou Kent Walker, conselheiro-geral da Google.

 

Avaliação humana

Levando em consideração que a tecnologia pode ser falha e não resolver todos os problemas, a Google também aumentará o número de especialistas independentes no Trusted Flagger, programa do YouTube que seleciona alguns usuários que irão analisar os vídeos manualmente.

 

Regras mais duras

Como já mencionado, o YouTube não está monetizando vídeos com conteúdo extremista, além de não recomendá-los na plataforma. Além disso, tais publicações exibirão um aviso sobre o tema sempre que um usuário acessá-las.

 

Sistema Redirect Method

A última ferramenta que a Google irá utilizar com a finalidade de reforçar o combate ao terrorismo é o programa “Redirect Method”, um sistema que inclui, no YouTube, anúncios em perfis com potencial de recrutamento para grupos terroristas.

“Em lançamentos prévios desse sistema, os recrutas em potencial clicaram nos anúncios em quantidade não usual e assistiram a mais de meio milhão de minutos de conteúdo em vídeo que desmerece as mensagens de recrutamento dos terroristas”, disse Kent Walker.

 

Fonte: TecMundo